Ein poetischer Nachruf auf Rainer Hess

(15.04.1936 - 08.03.2004)

 

BRUMA DISSIPADA


Pétrea
Poisou
A lírica moderna
A sua asa
Sobre a fria laje
Cobrindo as contendas seculares
Das gerações d’outrora.
Peso de chumbo
Fez-se pluma
Volátil
Elevando os densos versos
De um escuro cogitar
À luz do belo astro
Do rigor.


Esquecido
No canto do cinzeiro de lata
Da pequena sala de aulas
A beata
Observando outras gerações
Discentes procurando discernir
Por entre fumo sem rumo
Os contornos da matéria
Cuja vinha sendo
Depois de gerida
Sistematicamente servida.
Consumado o seu itinerário
Apagou-se o cigarro
Continuando a flutuar no ar
As vozes dos poetas
Lidas, despidas, revestidas
Nunca preteridas

(ao Rainer Hess / Rainer Hess gewidmet)

João Lopes de Alcântara
(Lonha Heilmair)
Lisboa, 15/03/2004